Vazio – Primeiro Capitulo-

Aí está para vocês o primeiro capitulo do livro Vazio, por Demétrios Miculis.

Ele já está a venda e pode ser encontrado clicando AQUI.

Boa leitura!

VAZIO

 

Nós somos os Inimigos da Realidade.

Pode soar forte, e é. Deve soar dessa maneira. Se há algum rótulo, alguma maneira de nos descrever, esse é o nome, pois é isso que somos. Ninguém mais que nós merece essa alcunha. Ninguém tem a capacidade que temos, a força necessária para sermos conhecidos por tal titulo. Chega um momento que o mundo não passa de um brinquedo, uma espécie de parque de diversões, onde todos nossos desejos são realizados.

Desejos.

Tudo tem um preço.

Não somos os inimigos da realidade por nada, não simplesmente ganhamos, sem dar nada em troca. Somos aqueles que não aceitaram simplesmente sentir o Vazio, mas aqueles que começaram a usar essa força, e é claro, ser usado por ela.

Podemos simplesmente realizar os desejos que quisermos, é assim que funciona. Você tem um desejo, ele se realiza. Seu desejo é mexer coisas com a força da mente? Pois você consegue. É transar com aquela atriz? Você consegue também. É voar? Sim, porque não?

Mas sempre é cobrado um preço, e o preço nunca é barato. A cada vez que você realiza um desejo, outro aparece no lugar, o Vazio cresce, lhe obriga a fazer coisas, todas as coisas. Desde  inofensivas curiosidades como algumas fantasias sexuais, como fatais desejos de raiva e ódio. E você faz todas elas, você sacia aquele Vazio que cresce dentro do seu intimo. Lá dentro, lá no fundo, todos nós temos esse Vazio, mas só poucos tem a capacidade de usá-lo.

Acredite… Não queira.

Uma vez que você toma conhecimento, ele não para. Ele cresce, como um câncer. No começo ele parece bem amigável, te da tudo que você quer em troca de um cigarro, de uns 160 quilômetros por hora… Depois você já começa a ir para um lado mais escuro, desejando coisas que não deveria, como por exemplo, transar com o vizinho ou a vizinha, mesmo que ela seja do mesmo sexo que o seu. Já está estranhando? Piora.

Estupro, assassinato, esquartejamento… A lista acaba em suicídio. A maioria de nós se mata em um ponto. Inimigos da realidade… Grande piada. Somos apenas inimigos de nós mesmos, pobres idiotas que pensam que são imortais, heróis, deuses… O mais próximo que podemos chegar de um Deus é o julgamento, por todos nossos atos hediondos.

Isso é ter o Vazio atuando em você. Isso é ser um inimigo da realidade.

E para que vocês não trilhem esse caminho, vou lhes contar a historia de Erika. Uma garota que teve seu encontro com o Vazio. Aí sim, vocês terão uma ideia do que estou dizendo… Acredite, quando eu acabar, você irá olhar para si mesmo, duvidar de tudo que eu falei, mas depois vai agradecer por estar vivo. Mesmo que acredite ou não na historia que vou lhe contar.

Era uma noite como qualquer outra…

 

Erika era uma garota como todas as outras, tinha sua vida, seus problemas, seus hobbies e seus gostos. Não era nada excepcional, mais uma garota mediana em meio a um mar de pessoas medianas, sem nada a acrescentar no mundo nem a retirar. Não podíamos dizer que ela era feia, nem mesmo bonita, ficava naquele tipo de beleza que você da de ombros, sem querer medir, chama de bonitinha ou ajeitada. Ela era branca, olhos azuis e loira, não chegava a ser gorda e nem passava perto de ser magra e tinha um péssimo conhecimento de estética, em outras palavras, ela não conseguia ser atraente. Tinha um sotaque sulista que não ajudava em nada e um sorriso fino que ninguém entendia. Não preciso dizer que ela não tinha muitos amigos.

Haviam se mudado para a cidade há poucos meses, começo de ano. Erika foi matriculada em uma escola particular, cheia de pessoas que já se conheciam, já haviam formado suas “panelinhas”, seus pequenos círculos de amizade. Erika era deslocada de todo aquele ambiente, se tornando apenas uma nerd em que alguns interesseiros se apoiavam para trabalhos em grupos, copiar os deveres de casa e ajuda com cola nas provas.

Mas ela não era nerd, na verdade, ela não era muito esperta também.

Erika apoiava o rosto nas duas mãos, cotovelos sobre a mesa, em uma lanchonete de esquina. Encarava um casal de namorados que lhe contava uma história, uma história estranha, sobre um começo, sobre um vazio…

 

“Desde o inicio da criação, existe um vazio perpetuo, que infunde toda a existência. Esse Vazio é a sombra de uma luz, já que toda luz produz uma sombra de força equivalente ao seu brilho. Quando o primeiro homem surgiu na Terra, o Vazio infundiu-se em sua alma, criando nele desejos de ser e ter, de sentir e criar. O criador do homem não lutou contra esse vazio, querendo tira-lo do ser humano, pois sabia da lei da ação e reação e considerou essa sombra necessária. Então o criador, notando os anseios do homem, criou a mulher para satisfazê-los. Entretanto, o Vazio também se infundiu à mulher e, a partir daquele momento, em todos os seres humanos que passariam a existir.

Então veio o filho do primeiro homem e seu irmão. Ambos cobiçando a aceitação e orgulho do pai. O Vazio fez sua parte e aumentou o desejo de cada um, um deles era bom, o outro era mal, dessa forma duas manifestações diferentes do mesmo desejo começaram a disputar um pequeno jogo, onde nenhum sairia vencedor, mas o Vazio iria aumentar ainda mais sua força e sua influência.

O filho bom ganhava cada vez mais a aceitação do pai, assim como o orgulho do mesmo. Movido pela inveja e pelo seu desejo mais intimo, ele matou seu irmão, derramando o primeiro sangue do homem na terra. Uma historia semelhante conta que o irmão morto continuou bom mesmo depois da morte e, alguns ainda dizem, que ele perdoou o assassinato. Na historia verdadeira, aconteceu o contrario. Seu desejo de vingança nos últimos momentos de sua vida foram tão fortes, tão poderosos, que uma maldição caiu sobre seu irmão. Certo livro diz que essa maldição foi dada pelo criador, mas isso não é verdade. Foi o Vazio, esse mesmo vazio que todos nós carregamos em nosso interior, esse buraco que nunca é preenchido, que lhe deu forças para realizar o seu desejo.”

 

Erika encarava o homem, que era o contador da historia, um rapaz de pele morena, cabelos negros e curtos, uma fisionomia incomum nessa cidade. Ele já tinha idade para ser seu pai, assim como a mulher ao seu lado, com um rosto fino, pele clara e cabelos negros, na altura do queixo. Ambos tinham sotaques diferentes, uma forma de falar que Erika não conhecia, mas acreditava que eram de outros países. A mulher, achava que era francesa, o homem, ‘pro rumo do oriente médio’.

__Qual é seu desejo? –disse a mulher, com um ar compreensivo- Aquele que você mais sonha em realizar?

__Unh… –Erika refletiu por um momento, desviando o olhar com um pouco de vergonha- Conhecer o Linkin Park. Eles são demais!

__Não… Isso é simples demais. –o homem ajeitou a leve jaqueta de couro marrom- O que você realmente deseja. Pode ser algo pitoresco, não importa. Apenas diga o que realmente deseja.

Foi nesse momento que Erika sentiu seu verdadeiro desejo. Era morrer como bem entendesse. E foi também nesse momento que o Vazio, que até agora aguardava em silencio, se manifestou em algum lugar de sua mente.

__Eu quero escolher como vou morrer. –disse após suspirar- Não quero morrer dormindo… Mas também não quero morrer de câncer! Nem assassinada! –riu- Na verdade não quero morrer, mas sei que uma hora eu vou ter que ir, como todo mundo vai. –coçou a cabeça, tentando não se perder em seus pensamentos- Então acho que funciona mais ou menos dessa forma…

O homem riu, se levantou e tirou um dinheiro da carteira, jogando sobre a mesa. A mulher também levantou, pegando a bolsa que estava em outra cadeira. Agradeceram a companhia e foram embora, deixando Erika sozinha.

Sozinha com seus pensamentos.

E sua coca cola.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s