Culpado

Apoiado na cerca da ponte, sua mão tremia e ardia quando o suor caia no corte. Mal conseguia segurar na cerca para permanecer de pé, olhando a nevoa que tampava sua visão. O suor em seu rosto também ardia ao escorrer para os arranhados na sua bochecha e queixo, além da dor a cada respiração, uma pontada que queimava em seu pulmão. Sentia gosto de sangue na boca e alguns dentes da frente mole, prestes a serem arrancados no menor dos esforços.

Da nevoa surge uma figura, ele cerra seus olhos para tentar enxergar, até tenta dar um passo a frente, mas ao quase cair, volta a se apoiar na cerca e apenas chama por um nome conhecido, Loren.

A figura se aproxima, uma mulher para e sorri ao ver o homem. Uma gota de sangue escorre pela testa dele e cai em seu olho, ele tenta limpar com a manga da camisa verde suja e continua com a cabeça abaixada.

__Desculpe, pensei que fosse outra pessoa.

__Quem?

__Não sei… –ainda esfregava o olho, lidando com a dor em seu rosto-

__O que está fazendo aqui, sozinho nessa neblina?

__Não sei… Eu deveria encontrar alguém.

__Quem?

__Não sei. –levantou os olhos para aquela mulher de rosto limpo e claro e a viu em uma visão avermelhada- Você se parece com ela.

__Eu me pareço com quem? Sua irmã?

__Não, não minha irmã… Outra pessoa. Alguém que eu…

__Quem é você? –ela se aproximou, ele pode ver que suas mãos estavam sujas assim como seu terno branco-

__Me chamo… Olavo.

__Você precisa me ajudar, houve um acidente ali em cima. –apontou para a curva antes da ponte- Meu celular não pega e… –agarrou a sua mão machucada e o puxou- Venha, venha comigo, eu preciso de sua ajuda, você precisa me ajudar.

__Ei! Espere! Eu não consigo andar…

Tropeçou e caiu no chão, amortecendo a queda com as duas mãos que aumentou ainda mais a dor que sentia. Viu o sangue gotejar de seu rosto e cabelo, suas mãos arranhadas e cortadas, a direita ainda com cacos de vidro cravados nela.

__Eu estava lá… –disse se sentando- Eu estava lá…

A mulher se abaixou e disse nervosa e apreensiva.

__Você precisa me ajudar, eu sozinha não vou conseguir.

__Ninguém lá precisa de ajuda, o que aconteceu, aconteceu. Não tem mais volta, não tem mais remédio.

__Mas você pode ajudar! –ela pegou novamente em sua mão e o forçou a levantar, ele resistiu-

__Não tem volta, e é tudo culpa minha.

A mulher sentou ao seu lado, um filete de sangue começou a escorrer do topo da testa, passando pelo nariz. Ela tocou o sangue e olhou os dedos molhados.

__Você não pode fazer nada? –mostrou os dedos ensanguentados para o homem-

__Poderia ter feito. Agora não posso mais.

A mulher agora tossiu e deitou no colo do homem, com o sangue minando de um corte em sua testa.

__Quem você estava esperando?

__Não sei… Acho que vou ter que esperar mais.

__E se ela não vier? Houve um acidente ali em cima.

__É verdade… Eu não pude fazer nada, deveria ter feito, mas não fiz.

A mulher tossiu novamente, cuspindo sangue no chão.

__Não pôde ajudar?

__Não.

__Mas você poderia?

__Sim.

__E porque não ajudou?

O homem olhou para a mulher pálida e ensanguentada no seu colo, depois levantou os olhos para a nevoa que tampava a visão do resto do mundo.

__Eu não tive coragem.

__Foi culpa sua?

__Foi.

__Foi culpa sua.

O homem se levantou e a deixou no chão, caminhando e se afastando da mulher.

__O acidente é na outra direção.

__Eu sei.

__Não vai esperar ela?

Ele parou, olhou para trás e a mulher estava de pé, encurvada e segurando um dos lados do seu corpo, com uma expressão de dor em sua face suja.

__Não.

__Posso ir com você?

Ele abaixou a cabeça e ponderou por um momento, depois voltou a encara-la.

__Não está esperando ninguém?

__Ele deveria estar aqui, mas não está. Não preciso ficar aqui.

__Quem? Seu irmão?

__Não. Alguém mais…

__Tudo bem, se quiser vir, venha.

__Para onde vai?

__Não sei. Para longe.

__Não vai ajudar a pessoa no carro?

__Já disse que não! Se quiser vir, venha.

O homem voltou a caminhar, mancando, sentindo dor a cada passo, a cada respiração. A mulher o acompanhou, de longe, tentando o alcançar.

A mulher estava lá, depois de uma longa caminhada.

E nos dias seguintes, como uma sombra, sempre presente, tentando o alcançar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s